“O Espiritismo não se impõe, porque, como vo-lo disse, respeita a liberdade de consciência; ele sabe também que toda crença imposta é superficial e não desperta senão as aparências da fé; nunca, porém, a fé sincera. Ele expõe seus princípios aos olhos de todos, de modo a cada um poder formar opinião segura.”

Allan Kardec

Anúncios

“What counts in life is not the mere fact that we have lived. It is what difference we have made to the life of others that will determine the significance of the life we lead.”

Nelson Mandela

Quisera eu poder fechar meus olhos…

Só de fechar meus olhos, posso ver aquele seu sorriso pretensamente inocente, de quem não tem nada a esconder. Posso reviver cada instante, tão efêmero quanto sua presença, tão intensos e devastadores.

Só de fechar meus olhos,  posso sentir seu perfume invadir minh’alma e levar consigo os resquícios de minha sanidade. Posso reinventar cada silhueta naquelas noites escuras, cada toque trilhando um caminho inédito, sem qualquer precedente.

Só de fechar meus olhos, posso lembrar de tantas sensações misturadas,  eu ainda sem saber se gostava ou não de tudo aquilo que estava me acontecendo. Posso reavivar a dor de saber que tudo aquilo estava acabado, sem ao menos saber se era isso mesmo que eu queria.

Só de fechar meus olhos, posso ouvir a tua voz, tão doce calma e gostosa, ao me contar uma série incontável de mentiras que, sabe lá Deus o porquê, eu resolvi acreditar. Posso pensar no pesar de compreender que não me dera importância, que eu fora somente um corpo, um rosto.

Fecho, então, mais uma vez, meus olhos, na esperança de que a lembrança um dia irá desaparecer, e que eu possa esquecer-me, de fato, desta dor que não faz sentido, deste alguém que deveria ser também só um corpo, um rosto, mas que me marcara para todo o sempre.

 

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia; e se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”

Fernando Teixeira de Andrade.

“Por favor, não volte a fazer perguntas. Contei a você como uma advertência. Tudo isso me marcou muito profundamente, deixou marcas indeléveis que não se pode apagar. Sou uma pessoa marcada. Pessoas marcadas são perigosas. Sabem que podem sobreviver.”

Josephine Hart. Perdas e danos.

Para terminar uma história de amor

É preciso coragem para terminar uma história de amor. Coragem para lidar com a dor e ainda assim acreditar na própria habilidade para seguir confiante pela vida, mesmo com uma cicatriz a mais. Coragem para chorar muito, chorar tudo, e ainda assim crer no tempo do sorriso novo. (…)

É preciso coragem para terminar uma história de amor. Coragem para atravessar tempestades terríveis, desertos intensos, noites imensas e, ainda assim, seguir. Mesmo doendo. Mesmo cansando. Coragem para aquietar o próprio coração e lhe dizer que vai passar, quando, na verdade, a gente não tem a mínima ideia de quando, nem se vai. (…)

É preciso coragem para terminar uma história de amor. Coragem para ouvir do outro, com ou sem palavras, que o que demos foi pouco, quando o tempo todo a gente sentia dar o melhor. Coragem para se desapegar dos códigos, dos hábitos, dos truques inventados. Da ludicidade. Das seduções. Do texto. Da trilha sonora. Dos efeitos especiais. Da intimidade. Coragem para agradecer mais o encontro do que lamentá-lo. Para bendizê-lo. Para abençoá-lo. Para não se tornar mais um pessimista comum que depois de se deliciar com o banquete, afasta-se da mesa reclamando do tempero.

É preciso coragem para terminar uma história de amor. E por mais que machuque, entristeça e dilacere, chega um momento em que a gente sabe que não há outra alternativa, senão ter coragem para baixar as armas cansadas. Para anunciar o cessar-fogo. Para hastear bandeira branca. Para parar de brincar de vítima e algoz. De gato e rato. De queda de braço. É preciso coragem para retomar a própria vida. Para reaprender a estar consigo mesmo. Para se permitir começar tudo de novo, quando o novo vier. Para não se fechar o coração à perspectiva de que aconteça essa que é uma das melhores dádivas: amar e ser amado, olhar e ser olhado, ao mesmo tempo. (…)

Ana Jácomo.

Ode às coisas.

AMO las cosas loca,
locamente.
Me gustan las tenazas,
las tijeras,
adoro
las tazas,
las argollas,
las soperas,
sin hablar, por supuesto,
del sombrero.

Amo
todas las cosas,
no sólo
las supremas,
sino
las
infinita-
mente
chicas,
el dedal,
las espuelas,
los platos,
los floreros.

Ay, alma mía,
hermoso
es el planeta,
lleno
de pipas
por la mano
conducidas
en el humo,
de llaves,
de saleros,
en fin,
todo
lo que se hizo
por la mano del hombre, toda cosa:
las curvas del zapato,
el tejido,
el nuevo nacimiento
del oro
sin la sangre,
los anteojos,
los clavos,
las escobas,
los relojes, las brújulas,
las monedas, la suave
suavidad de las sillas.

Ay cuántas
cosas
puras
ha construido
el hombre:
de lana,
de madera,
de cristal,
de cordeles,
mesas
maravillosas,
navíos, escaleras.

Amo
todas
las cosas,
no porque sean
ardientes
o fragantes,
sino porque
no sé,
porque
este océano es el tuyo,
es el mío:
los botones,
las ruedas,
los pequeños
tesoros
olvidados,
los abanicos en
cuyos plumajes
desvaneció el amor
sus azahares,
las copas, los cuchillos,
las tijeras,
todo tiene
en el mango, en el contorno,
la huella
de unos dedos,
de una remota mano
perdida
en lo más olvidado del olvido.

Yo voy por casas,
calles,
ascensores,
tocando cosas,
divisando objetos
que en secreto ambiciono:
uno porque repica,
otro porque
es tan suave
como la suavidad de una cadera,
otro por su color de agua profunda,
otro por su espesor de terciopelo.

Oh río
irrevocable
de las cosas,
no se dirá
que sólo
amé
los peces,
o las plantas de selva y de pradera,
que no sólo
amé
lo que salta, sube, sobrevive, suspira.
No es verdad:
muchas cosas
me lo dijeron todo.
No sólo me tocaron
o las tocó mi mano,
sino que acompañaron
de tal modo
mi existencia
que conmigo existieron
y fueron para mí tan existentes
que vivieron conmigo media vida
y morirán conmigo media muerte.

Oda a las cosas. Pablo Neruda. 

3_JPG

A espantosa realidade das cousas
É a minha descoberta de todos os dias.
Cada cousa é o que é,
E é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra,
E quanto isso me basta.

Basta existir para se ser completo.

Tenho escrito bastantes poemas.
Hei de escrever muitos mais. naturalmente.

Cada poema meu diz isto,
E todos os meus poemas são diferentes,
Porque cada cousa que há é uma maneira de dizer isto.

Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
Não me ponho a pensar se ela sente.
Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
Gosto dela porque ela não sente nada.
Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.

Outras vezes oiço passar o vento,
E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.

Eu não sei o que é que os outros pensarão lendo isto;
Mas acho que isto deve estar bem porque o penso sem estorvo,
Nem idéia de outras pessoas a ouvir-me pensar;
Porque o penso sem pensamentos
Porque o digo como as minhas palavras o dizem.

Uma vez chamaram-me poeta materialista,
E eu admirei-me, porque não julgava
Que se me pudesse chamar qualquer cousa.
Eu nem sequer sou poeta: vejo.
Se o que escrevo tem valor, não sou eu que o tenho:
O valor está ali, nos meus versos.
Tudo isso é absolutamente independente da minha vontade.

A espantosa realidade das cousas. Alberto Caeiro.